Blog

4 dicas para escolher o seu exportador no exterior.

4 dicas para escolher o seu exportador no exterior

A definição de qual produto uma empresa quer importar é uma das decisões mais importantes quando se deseja iniciar no comércio exterior. Além desse, um outro ponto que merece muita atenção é a escolha do exportador, pois isso garante que o processo transcorra de forma assertiva e, também, a qualidade do produto que será importado.

Hoje vamos listar 4 dicas para ajudar na escolha do exportador:

01. Participação em feiras especializadas

A melhor maneira de conhecer exportadores do produto que se tem a intenção de importar é participar de feiras especializadas no exterior.

É uma oportunidade onde vários fornecedores do mesmo segmento estão concentrados, tornando possível comparar produtos, empresas, preços, etc., bem como negociar diretamente com o fabricante.

A feira mais conhecida do mundo é a Canton Fair, que é realizada duas vezes por ano, em Guangzhou – China. Nela é possível encontrar diversos fornecedores dos mais variados produtos (ex.: eletrônicos, eletrodomésticos, motores, roupas, itens de beleza, energia sustentável, informática, entre vários outros).

Existem, também, feiras especializadas em determinados mercados, onde você pode encontrar vários fornecedores para o mesmo tipo de produto. Entre elas, podemos citar:

* IHHS: feira de eletrodomésticos e eletro-portáteis, realizada anualmente em Chicago – USA;

* Salão de Milão: feira de móveis, realizada anualmente em Milão – Itália;

* Spielwarenmesse: feira de brinquedos, realizada anualmente em Nuremberg – Alemanha.

02. Auditoria física e documental

O primeiro passo dessa análise é solicitar toda a documentação do exportador (informações que comprovem que o mesmo está regularmente cadastrado em seu país de origem). Esse ponto é muito importante, pois caso haja uma investigação da Receita Federal, pode ser necessário apresentar os documentos que instruíram a exportação, consularizados.

É fundamental, também, que fique claro na negociação se essa empresa é o fabricante e o exportador e, caso não seja, que se forneça os dados completos do fabricante e do exportador.

Essa é uma exigência legal e a informação inexata desses dados é passível de multa a ser aplicada pela Receita Federal, bem como atraso na liberação da mercadoria quando esta chegar ao Brasil.

Além da análise documental, é importante realizar uma auditoria física na empresa, visando confirmar a localização da fábrica, constatar as condições dela, se há um Sistema de Gestão da Qualidade implantado, como a mercadoria é armazenada, entre outros.

03. Negociação da forma de pagamento

Sempre que se inicia uma negociação com um fornecedor no exterior, é usual que a forma de pagamento exigida seja 30% no fechamento do pedido e 70% antes do embarque, ou carta de crédito (L/C). Com o passar do tempo e se as importações forem recorrentes, é possível negociar uma melhor forma de pagamento.

No ponto de vista do importador, a forma mais segura é a carta de crédito (L/C), pois nessa modalidade o banco garante tanto o recebimento da mercadoria (uma vez que o exportador somente recebe o dinheiro se apresentar os documentos originais, o que comprova o envio da carga), quanto o pagamento da carga (caso o importador não efetue o pagamento, o banco é responsável pela quitação junto ao exportador).

04. Solicitação de amostras

A solicitação de amostras deve ser feita em dois momentos durante o processo de importação. Em um primeiro momento é fundamental solicitar amostras para verificar a qualidade do produto e sua(s) funcionalidade(s). Dependendo do tipo de produto, recomendamos testá-lo exaustivamente para verificar se, mesmo depois de um certo tempo de uso, o produto mantém a sua funcionalidade.

Lembramos que, no Brasil, o Código de Defesa do Consumidor exige que as empresas (inclusive as importadoras) forneçam garantia de 90 (noventa) dias para bens duráveis. Assim, a preocupação com a qualidade do produto visa evitar problemas posteriores com reclamações de clientes.

O segundo momento onde deve ser solicitada amostra é antes do embarque. Essa amostra deve ser a do lote produzido para exportação e visa assegurar o importador de que o produto que será embarcado é o efetivamente comprado.

Ter um fornecedor confiável em todas as etapas do processo de importação é fundamental para que o produto chegue ao Brasil com qualidade, no menor custo possível e no tempo adequado às necessidades comerciais do importador.

A Fenícia, através de sua equipe especializada no Brasil e de seus parceiros no exterior, pode auxiliar as empresas em todas as etapas deste processo. Consulte-nos para saber mais informações.